Editora Publicações Maitreya   Início    Sobre Nós    Mapa do Site    Contactos    Ajuda
O Saber na Harmonia do Ser
  Sobre os Autores        Eventos        Entrevistas        Espaço de Imprensa        Clipping  
  Newsletter        Área de Clientes        Iniciar Sessão / Registo        Carrinho    0 artigos  
 
 
Entrevista

"Folhas de Luz" fala de melhorar o espírito

Foi lançado ontem, no Museu Casa da Luz, o livro “Folhas de Luz”, de Maria Ferreira da Silva. A obra disserta sobre vários temas relacionados com a espiritualidade. (...)


início > prosveta > conhece-te a ti mesmo - jnani yoga - tomo i
Catálogo  Prosveta 
Sugerir a um amigo Sugerir a um amigo       Sugerir a um amigo Imprimir

Ampliar imagem


CONHECE-TE A TI MESMO - Jnani Yoga - Tomo I
de Aïvanhov, Omraam Mikhaël
ISBN: 978-989-8994-21-9
Idioma: Português
1ª edição (2021)
Formato: 145 x 210
N. Pág.: 274
Encadernação: Cartonada
Disponibilidade: em stock     Preço: 19,00 €   Adicionar ao carrinho Comprar
«Conhece-te a ti mesmo...» Era esta a frase que estava inscrita no frontão do templo de Delfos. Mas quem é este "nós mesmos", que devemos conhecer? Direis: «Oh, são os nossos defeitos e as nossas qualidades.» Não, isso ainda não é conhecer-se. Conhecer-se é saber que somos formados por diferentes corpos (físico, etérico, astral, mental, causal, búdico e átmico) e conhecer as suas necessidades... Os Iniciados da Antiguidade insistiram tanto na necessidade do conhecimento de si precisamente porque este conhecimento abre grandes possibilidades de avançar, de progredir, de obter bons resultados. Enquanto não se conhecer as necessidades do seu Eu Superior, dá-se sempre tudo ao corpo físico, que fica enfartado, enquanto a alma e o espírito, famintos, sedentos, sufocam e morrem.
«Conhece-te a ti mesmo...» Toda a Ciência, toda a sabedoria, reside nisto: conhecer-se, reencontrar-se, realizar a fusão do eu inferior com o Eu superior. O símbolo do Iniciado que conseguiu reencontrar-se é a serpente que morde a própria cauda. A serpente que rasteja na terra é uma linha, recta ou sinuosa, e a linha é limitada. Mas a serpente que morde a própria cauda torna-se um círculo, e o círculo é o infinito, o ilimitado, a eternidade. O homem que conseguiu realizar o símbolo do círculo do círculo entra num mundo onde já não há limites, deixa de haver uma separação entre o Alto e o baixo, pois todas as forças, todas as riquezas e todas as virtudes que o verdadeiro Eu possui se infundem no pequeno eu. O pequeno e o grande passam a ser um só e o homem torna-se uma divindade.

Omraam Mikhaël Aïvanhov




Não encontrou o que procura ? Contacte-nos !

As fotos podem não corresponder às publicações descritas.


Preços válidos para stock existente e salvo erro tipográfico.
Todos os preços indicados no site incluem IVA à taxa legal em vigor.


Consulte a Política de privacidade e os Termos de utilização.

© Copyright 2006-2021, Publicações Maitreya. Todos os direitos reservados.
Powered by e-volução.